Suplementação de micronutrientes em crianças e adultos infectados com HIV

Assorted vitamins and nutritional supplements in serving spoon.
Zeevveez licensed under CC BY 2.0

Suplementação de micronutrientes em crianças e adultos infectados com HIV

Em seis estudos, suplementação com Vitamina A em adultos não afetou a progressão da doença pelo HIV, mas uma metanálise com três estudos envolvendo crianças africanas mostrou que a taxa de mortalidade por qualquer causa foi reduzida à metade. Não foram relatados efeitos adversos significativos da Vitamina A. Em um estudo, a suplementação com zinco diminuiu a mortalidade por diarreia em crianças, sem qualquer efeito adverso. A suplementação com Vitamina D foi segura, mas sem qualquer benefício clínico. Em um grande estudo na África, a suplementação com múltiplos micronutrientes renderam muitos benefícios clínicos para gestantes e seus filhos, sem efeitos adversos significativos. Mais pesquisas são necessárias acerca dos benefícios de suplementação com múltiplos micronutrientes e Vitamina A.


Revisão Cochrane

Citação: Irlam JH, Visser MME, Rollins NN, Siegfried N. Micronutrient supplementation in children and adults withHIV infection. Cochrane Database of Systematic Reviews 2010, Issue 12. Art. No.: CD003650. DOI: 10.1002/14651858.CD003650.pub3.

Resumo

As deficiências de micronutrientes são comuns e pioram os efeitos da doença causada pelo HIV; a suplementação de micronutrientes pode ser efetiva e segura na redução desse problema.

Avaliar se a suplementação de micronutrientes é efetiva e segura na redução da mortalidade e morbidade em adultos e crianças infectadas pelo HIV.

Foram pesquisados ensaios clínicos randomizados sobre suplementação de micronutrientes nas seguintes bases de dados: CENTRAL, EMBASE, PubMed, e GATEWAY. Os métodos de pesquisa do Grupo Cochrane HIV/AIDS foram utilizados.

Foram selecionados os ensaios clínicos randomizados que compararam os efeitos da suplementação de micronutrientes (vitaminas, oligoelementos e combinações destes) com outros suplementos, placebo ou nenhum tratamento sobre a mortalidade, a morbidade, desfechos da gestação, indicadores imunológicos e medidas antropométricas, em adultos e crianças infectados pelo HIV. Qualquer efeito adverso da suplementação foi registrado.

Dois revisores, de modo independente, selecionaram e avaliaram a qualidade dos estudos para o risco de viés utilizando critérios padronizados, e extraíram os dados através de formulários padronizados.

Dezesseis estudos adicionais foram incluídos nesta atualização da revisão original da Cochrane (Irlam 2005). Ao todo, 30 estudos envolvendo 22.120 participantes foram revisados: 20 estudos sobre a utilização de suplementos isolados (vitamina A, vitamina D, zinco, selênio) e 10 estudos sobre a utilização de micronutrientes combinados. Oito estudos foram realizados em crianças.

Nenhum dos seis estudos sobre suplementação com vitamina A ou betacaroteno em adultos demonstrou redução significativa na progressão da doença causada pelo HIV. A vitamina A diminuiu pela metade todas as causas de mortalidade em uma metanálise, que incluiu três estudos realizados com crianças africanas. A intervenção produziu um efeito inconsistente sobre os desfechos diarreia e morbidade respiratória (1 estudo cada), e melhora no crescimento em curto prazo (1 estudo). Não foram reportados efeitos adversos significativos da vitamina A em adultos ou em crianças.

A suplementação com zinco reduziu a morbidade por diarreia e não apresentou efeitos adversos sobre a progressão da doença em um único estudo sobre segurança clínica, em crianças sul-africanas. Não houve nenhum benefício clínico significativo da suplementação com zinco em grávidas da Tanzânia ou em adultos peruanos com diarreia persistente.

A suplementação com selênio reduziu a morbidade por diarreia em grávidas, na Tanzânia, e reduziu a carga viral em dois estudos diferentes, de pequeno porte, em adultos norte-americanos.

Estudos individuais sobre a suplementação com vitamina D em adultos, adolescentes e em crianças demonstraram segurança, mas nenhum benefício clínico.

A suplementação com micronutrientes combinados produziu múltiplos benefícios clínicos para as grávidas e seus filhos em um grande estudo da Tanzânia. Em outro estudo, também na Tanzânia, a suplementação reduziu a recorrência de tuberculose pulmonar e aumentou o ganho de peso em pacientes coinfectados. Nenhum efeito adverso significativo foi reportado.

A suplementação com múltiplos micronutrientes reduziu a morbidade e a mortalidade em grávidas HIV-infectadas e em seus filhos, além de melhorar o crescimento precoce da criança em um grande ensaio clínico randomizado realizado na África. Pesquisas adicionais são necessárias para determinar se esses resultados podem ser generalizados. A suplementação com vitamina A é benéfica e segura em crianças infectadas pelo HIV, porém, mais evidências são necessárias para estabelecer se a suplementação também confere benefícios semelhantes em adultos infectados pelo HIV. A suplementação com zinco é segura em adultos e em crianças infectados pelo HIV. Ela pode trazer benefícios semelhantes para crianças e adultos infectados com o HIV, e para crianças não infectadas, mas com diarreia, da mesma maneira que as crianças não infectadas pelo HIV se beneficiam do zinco.

Mais estudos sobre suplementação isolada de micronutrientes (vitamina D, zinco e selênio) são necessários para construir uma base de evidências. Além disso, é necessária uma investigação mais aprofundada sobre os benefícios clínicos no longo prazo, os efeitos adversos e a formulação ideal dos suplementos com múltiplos micronutrientes em pessoas em diversas fases da doença.